segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

J R Ward – Blood Vow – Black Dagger Legacy

   

Olá pessoas! Perdoem essa dupla por abandonar vocês, mês de dezembro é corrido, e nesse RJ com calor de boquinha do inferno, Deus me livre, piorou tudo. Mas vamos ao que é importante. Li livros pra caramba, só tive preguiça (confesso!) de sentar o buzanfã aqui e contar tudo pra vocês do meu jeitinho spoilento de ser... hehehe. Mas juro que vou começar a contar tuuuudoooo.

Pra quem nunca leu (é, isso é uma série) nem pense em começar por este e pegue o primeiro pra ler. Anda, ainda dá tempo. Corra antes que esta se torne uma série tipo Cárpatos ou Dark Hunters (que tem trocentos livros, já até perdi a conta).

Bom, essa é aquela série que saiu da Irmandade da Adaga Negra, daqueles recrutas que a Irmandade arrebanhou, e este é o 2º livro do Legado do IAN. Alguns dizem que Lassiter veio pra ficar no lugar da Virgem Escriba, ainda não está sacramentado nem selado com cuspe, mas o que se sabe é que esse anjo do balacobaco veio com tudo, e veio pra ficar. Aí, sou fãzaça desse cara! A cada livro ele rouba mais um cadinho a cena, e este não foi diferente.

Bora pro livro: o casal é Axwelle, vulgo Axe, e Elise. Pera que já conto mais. Quem não se lembra de Axe, aquele vampirão todo tatuado, com passado com drogas, que gostava de um sexo com uma pegada mais bruta, hardcore, e que frequentava o The Keys? Aquele lugar onde Butch foi e Marissa bateu os pezinhos querendo ir atrás pra ver como era, ele pra investigar, ela pra dar um confere... rs.

Então, Elise nada mais é que a prima de Peyton, que também vem a ser o primo daquela moça da Glymera que foi assassinada por Anslam, outro carinha metido a besta da Glymera que também era recruta da Irmandade e que quase matou Craeg e Paradise. Acho que não tem mais ninguém perdido aí, tem? Isso tudo aconteceu no 1º livro do Legado, na história desse 1º casal, que vai muito bem, obrigado. Acontece que essa moça desafortunada que morreu também era prima de Elise, e moravam todos na mesma casa. Elas, o pai viúvo de Elise e os pais da prima que já tinham perdido o primeiro filho na onda de ataques que acabou com boa parte da Glymera.

Com a morte da prima, tudo fica muito mais tenso na mansão. E pra piorar, Elise retoma as aulas na faculdade como assistente do seu professor no curso de Psicologia. Escondida do pai, é claro. E é claro que quando ele soube, surtou. Ameaçou de colocá-la em reclusão (tem um nome específico, mas preferi adaptar). E o pai de Paradise, homem bacana, veio e deu um conselho (com a ajuda de Peyton e de Paradise) para que Elise tivesse um segurança respaldado pela Irmandade. E entre Novo (que era mulher, monte de preconceito aqui por parte da vampirada) e Axe, é claro que o pai optou pelo malvadão do Axe. Mal sabia ele no que estava se metendo... hahaha.

Falando em Novo, ela tem bastante destaque, ficando claro que também deve ter um livro dela. E entre ela e Peyton rola um lance, isso fica bem explícito, mas como ele é do tipo de carinha que pros homens tudo pode e pras mulheres o buraco é mais embaixo, eles batem de frente, então isso atrasa a história deles. Mas tem uma rolando ali.

Falei bastante da Elise, agora vou pro gostosão, que não sou de ferro. A história de Axe dá peninha. A mãe abandonou o pai quando ele era pequeno, o pai era um artesão, e acabou morto nos ataques. Ele foi aquele que estava cheio de drogas quando o pai ligou e deixou mensagem, mas deletou da caixa postal antes de ouvir. Depois morreu de remorso quando soube que o pai estava morto. Pois é, os patrões do pai dele se trancaram num quarto seguro e deixaram os empregados para enfrentarem a turba de rebeldes e lessers sozinhos, sem armas nem nada. Foram dizimados. E ele estava vivendo na mesma casa sem luz e literalmente à míngua, a salvação da lavoura foram os Irmãos.

Então ele vai ser o segurança da bonitona e rola um clima. Parece que falei muita coisa, mas isso é o comecinho, tá? Como sempre, essas são minhas impressões... rs.

Agora uma coisa, a história do casal é bem legal e tudo, mas sabe o que rouba as cenas todas, fora o Lassiter, é claro? Rhage, Mary e sua filhota, a Bitty.

Repito: um livro não tem como ser bom sem drama. E titia Ward provou que é a Rainha do Drama. A mulher é boa, viu? A bicha arrasa! E nesse ela deu show. Quer uma palinha?

Estava tudo certo para Bitty ser adotada, né? Faltavam apenas uns poucos trâmites legais, coisinha pouca, para tudo ficar sacramentado. Aí um belo dia Mary senta no escritório dela lá no Lugar Seguro, abre seu Facebook e tem um recadinho de quem? Do Trump? Não, Mary não está nem aí pro mundo dos humanos. Alguém já arriscou um palpite? Ruhn, o tio de Bitty resolve aparecer. E já vou adiantando que vocês terão surpresa. E emoções, muitas emoções que vão mexer com seus coraçõezinhos.

Rhage e Mary passam por mais um período turbulento na vida deles por causa do medo de perder Bitty, a quem eles já consideram filha deles, mas isso só desenrola quase no final do 2º tempo, quando suas entranhas já estão dando um vuco-vuco. Muita calma nessa hora, você aí que tem problemas de ansiedade e acha que essa série é ‘água com açúcar’, não, senhores, essa série não é pros fracos. É pros fortes, por que quem é fraco pede pra sair! Rsrsrs

Fica a dica para quem está desesperado. O livro acabou de sair em inglês, então deve demorar um pouco a ser traduzido, mas vale super a pena ser lido. Gostoso demais e não dá vontade de largar. Vocês vão rir, vão se emocionar, vão roer as unhas, vão passar por muitas emoções neste livro, mas uma coisa eu garanto, tédio não é uma delas.

Lassiter... o que dizer dessa criatura? Um spoiler... ele está cada vez mais surpreendente. De um anjo caricato, personagem sem muita função na Irmandade, além de encher o saco do V, perturbar a ordem e mostrar o traseiro para as shellans, pra desespero de seus hellrens, ele vem mostrando a que veio a cada livro. Ele tem uma cena muito meiga quando Mary chora com ele com medo de perder Bitty, e ele recolhe suas lágrimas transformando-as em diamantes, chamando-as de ‘lagrimas de mãe’, é um fofo. Vocês vão ver. No final, aquela cena retorna de um jeito maravilhoso, mas o contexto é superengraçado. Afinal, o cara é um palhaço.

Tentei fazer uma resenha menor, mas quando se trata de livro do IAN, simplesmente não dá. A propósito, o livro da Escolhida sai agora em Abril... uhuuu.

#Ficaadica
#Leiamasérie
#CorraLolacorra



quarta-feira, 12 de outubro de 2016

Kresley Cole – Arcana Rising




Pra você que se indignou com o fim do último livro, prepare-se para mais ranger de dentes e arrancar os cabelos com este. Kresley está aperfeiçoando seu jeitinho maligno de ser. Dessa vez vocês acabam de vez com o cotoco dos dedos.
 
O imbróglio começa do exato ponto onde acabou o 3º livro. E antes de iniciarem, leiam Dia Zero, onde são apresentadas as cartas e os Arcanos, dá uma luz depois de tantos personagens inseridos ao longo da série. Richter e Sol tem bastante destaque em Arcana Rising.
 
Ah, que dó da Evie quando o 3º livro acaba e ela vê aquele mundão de lava cobrindo a planície enquanto está imaginando Jack derretendo igual uma deliciosa calda de caramelo quente, doce, cremosa e... desculpem! Viajada aqui lembrando daquelas carnes. Então vem Morte (ahhhh, Aric. Deus nórdico, gelato italiano, pra lamber do começo ao fim e... Enfim, voltemos ao que interessa) passa a mão na donzela e a carrega pro seu alazão. Ops! Seu cavalo másculo de guerra tentando ganhar o maior terreno possível para afastar-se da pororoca de lava criada pelo Imperador e da onda enoooorme que Circe convocou. A segunda era até pra ajudar mas...
 
Olha, estamos tentando ao máximo segurar os spoilers e dizer que o livro é mais do que bom, tá? Mas de vez em sempre escapole unzinho (ou dois, ou três...) e aí vai : Morte desce do cavalo, segura Evie com toda força pelo braço se preparando para o solavanco da onda tipo tsunami, Impacto Profundo (lembram do filme?), e Aric segura firme, tão firme que a onda bate, leva Evie e... deixa o braço. Oi?!
 
Evie, arrastada pela onda por tempo indeterminado, fica fraca pelo trauma de perder Jack, pela perda de sangue e sem nada em vista. Fica à deriva e quase acaba nos dentes dos bagmens, aqueles seres com a pele ressecada e olhos vítreos que bebem sangue, tipo zumbis. Pois bem, naquele quase eterno vagar pelas águas a bonitona tem um insight de voltar para o Forte Arcana e encontrar Tessie, a carta Mundo, e pedir para que volte no tempo para tentar matar Ritcher, o Imperador, e tentar salvar Jack, Selena e seu exército. Um adendo... parece muito spoiler (até é, mas...rsrsrs) isso é só o comecinho do livro, tá? Tem muuuitas emoções nesse livro. Pre-pa-ra.
 
Selena, tadinha, foi-se! (tadinha nada! Aquela fura olho, querendo os homi dazamiga). Matt some e nem tchum pra Evie, além de cortar todas as comunicações entre os Arcanas. Aparecem novos jogadores e alguns retornam láaaaa do passado, dificultando e muito a jornada da Evie. E sabemos que ela, assim como “algumas de nós”, é péssima para se localizar. Dá muita pena da loirinha neste jogo por todo seu sofrimento, mas as coisas meio que tomam um rumo pra lá de esperado. Evie cresce em poderes e isso a assusta. Mas nada que casa, comida, roupa lavada e um TDB não resolva. E a danada aproveita seu prêmio na Mega Sena... hahaha.
 
O livro é fantástico, aliás, Kresley é fantástica. E mais do nunca estamos divididas em nosso amor por Jack e Aric (Tini, você, que é moça de família, mulher honesta, feita pra casar está dividida. Nós, as devassas, não! Aliás, o que queremos é nos dividir em um ménage à trois com Morte de um lado e Cajun do outro. Ahhhhh, papai!!!). Por que escolher? Bom, falando nisso, estamos deduzindo que vocês já leram Dia Zero e já sabem do segredinho sujo de Sol, que dividia a namorada com um cara. Dá a entender que esse trio era bem equilibrado, e ele gostava tanto da moça quanto do rapaz. E por que isso não abriria o leque para Evie amar tanto Jack quanto Aric? Brecha para isso o livro dá.
 
Evie passa a maior parte do tempo tentando achar Jack, e depois se dedicando um cadinho a Aric, que é O Cara! Ai que afliceta! Estamos quaaase pendendo para Morte como governador da bagaça. Votem nele!
 
*Observando aqui, essa resenha foi spoiler puro. Não deu pra segurar! Fica de mal não tá?!rs*
 
Até o último livro diríamos que essa série era para qualquer público, mas a partir desse aqui não podemos mais dizer isso. Kresley chutou o balde e abandonou a coisa do juvenil neste volume. É adultaço pra caraca!! Graças.
 
Respirem fundo, bebam um copo d’água bem gelada e preparem-se para uma viagem supermegablaster neste livro. Deixem para ler no fim de semana onde não serão interrompidos por nada. Levem garrafas de água pra cama, pacotinho de biscoito e barras energéticas... e boa viagem, senhores!



domingo, 9 de outubro de 2016

Tarsis Magellan - Unicelular





Olá, gente! Recentemente tive o imenso prazer de revisar este livro do talentoso escritor nacional Tarsis Magellan. Aproveitem que está disponível DE GRAÇA (por enquanto) no Wattpad e deem uma conferida! Tenho certeza que vocês não vão se arrepender. O link é http://my.w.tt/UiNb/LOGB8Eu6hx
 
Uma ficção científica do tipo que faz você acreditar até no que foi inventado, Unicelular explora o universo microscópico numa trama bem amarrada de conspirações, assassinatos e muita biologia. Aprendi muito lendo esse livro; apesar de não ser técnico, o autor usou (com muita propriedade) conhecimentos dos mais variados para dar profundidade à sua narrativa.

Fiquei encantada e é por isso que estou dividindo este sentimento com vocês. Para aqueles que estão em busca de uma leitura envolvente, dinâmica e inteligente, metam as caras nessa obra! Para quem acha que escritor nacional não escreve bem, aproveita a oportunidade para mudar de ideia! rs

Aproveito a deixa para parabenizar o autor por escrever sobre um gênero muito difícil de ser abordado, que é o Techno Thriller, que contém ação, ficção científica, suspense e muita tensão. Não é nada fácil envolver o leitor da maneira que o autor fez, ainda mais com uma história passada no Brasil, que não vejo com tanta frequência como gostaria.

Difícil se prender a um personagem apenas e mais difícil ainda não ficar ansiosa pela continuação. Cadê as editoras para fazer desse livro mais um presente na minha estante, hein???

Enquanto isso não acontece, confiram o trabalho desse moço no Wattpad, que por sinal tem milhares de visualizações.

Abraço!

Mila
 
#Dupla de Duas Recomenda com força.
#Para quem gosta de roer os cotocos dos dedos
#Aproveitem enquanto está disponível
#Corra, Lola, corra


 



domingo, 25 de setembro de 2016

Cambria Hebert - Nerd #Série Hastag 1

 
                                                                 
 
Pra você que estava esperando uma série contemporânea do balacobaco, leia essa urgente. Muito, mas muito boa, e viciante. Recomendamos com força essa série toda!
 
Comecei a ler essa série quando a Ana K me indicou dizendo que era de jogador de futebol americano e de uma nerd. Dãaa. Aí eu paguei pra ver, e ainda tô pagando. Comprando todos os livros que saem... kkkk. Muito boa mesmo. Vá na fé. Agora vamos (eu e Ana K) falar um cadinho e tentar dar o mínimo de spoiler (tá difícil, hein?).
 
A nerd universitária com uma bolsa de estudos querendo fazer medicina veterinária é obrigada pelo reitor a ser tutora do astro do time de futebol para garantir sua bolsa. Rimmel quica, sapateia, bate os pezinhos, sabendo que tem que ficar de babá de um orelhudo, pois é assim que ela vê o TDB fodástico da universidade. Sem ter como evitar, ela concorda, fazer o que, né? No primeiro encontro, ela tá que nem uma idiota esperando na biblioteca pelo carinha aparecer. E cadê o bofe? Ele chega atrasado, depois deixa a bicha falando sozinha e escapole para traçar uma piri entre as estantes. Rimmel dá falta do cara e vai atrás. Ouvindo os barulhos abafados, ela espia e vê a piri dando um trato com a boca no atleta.
 
Ahhhh, péssimo começo para o livro, né? Confesso que quase desisti de ler depois desse trechinho. Aí pensei: que mané! Não vou ler essa bagaça não. Mas como tenho TOC, o que começo termino, aí fui em frente e não me arrependi. Que fique claro que isso é bem no comecinho do livro. Depois disso o cara não escamoteia.
 
Rimmel era centrada nos estudos e dividia seu quarto com Ivy, uma menina meio desmiolada e festeira que acaba no colo do Romeo numa festa na fogueira, mas a coisa não passa de um flerte. Que fique bem claro que foi pela vontade de Romeo que ficou só nisso. Ela que não é boba, queria mais (aliás, eu tb não sou, quero mais tb!!).
 
 Rimmel em seus momentos de folga era voluntária do abrigo de animais e tinha uma quedinha pelo Murphy, um gato todo estrupiado e sem um olho. Ninguém o queria e Rimmel sempre dedicava um tempinho extra a ele. Ela se achava feia, sem graça e não olhava para os carinhas, muito menos os gostosos. Mal sabia ela, coitada...
 
Romeo por outro lado era gato, gostoso, de uma família bem de vida e cujo objetivo era ser profissional do futebol e ser aceito na Alpha Omega, fraternidade que seu pai frequentou e toda sua família. Então o papai do Romeo botava a maior pressão pro filhote seguir seus passos. O único problema? O presidente da fraternidade, Zach. Esse aí não valia um tostão furado. Bela aparência e coraçãozinho gelado. Doidipedra.
 
Aí, depois que Romeo e Rimmel começam a se encontrar para estudar (o que eles quasem não fazem), eles atraem a atenção do #BuzzBoss, que nada mais era que um perfil de rede social do campus, o #AlphaBuzzFeed. Trocando em miúdos, era para ser um mecanismo da faculdade se comunicar com os alunos, mas virou a redeboataria do lugar, um centro de fofocas, mexericos e siricuticos. É uma incógnita ao longo de alguns livros quem era o BuzzBoss. Neste livro não esclarece... mas a gente fica doidinho querendo saber quem é o cabeça da coisa.
 
Por incrível que pareça, Romeo se apaixona por Rimmel, mas eles enfrentam vários obstáculos no caminho. Romeo era muito popular, atraía atenção, e Rimmel era um ratinho de biblioteca, desajeitada, vivia se estabacando, achava-se muito aquém de estar ao nível do astro do time.
 
Preparem-se para se apaixonarem por essa série. O livro é dinâmico, surpreendente, refrescante, você dá ótimas risadas com ele. Mas claro, tem seus momentos de drama. Leiam que vão gostar.
 
 
Pitacos da Ana K
 
 
Comecei essa série com altas expectativas, por que a sinopse me lembrou muito a série Sweet da Tillie Cole, uma das minhas favoritas. Felizmente, não quebrei a cara por que a Hashtag é tão boa quanto a Sweet. A história é ótima, adorei o casal e a autora manda muito bem na escrita.
 
Como nem tudo é chocolate, quase larguei a série no mesmo ponto que a Tinis. Essa parte da biblioteca foi difícil de aceitar e nem tenho TOC para me prender, então foi só a sorte que me fez continuar mesmo.
 
O começo do Romeo não é muito promissor. Ele é o clássico playboy: gato, gostoso, rico e jogador estrela da faculdade. Com tudo isso, não tinha chuva na horta dele, tinha furacão e tsunami. Aliás, o nome dele não é Romeo, é Roman. Romeo é apelido justamente por que é namorador, então já dá para ter uma noção do passado do moço.
 
Eu estava achando ele meio mimadinho do tipo: "sério que a preocupação dele é essa fraternidade?" Estava quase mandando ele e a fraternidade para a pulga que pariu e indo ler outra coisa.
 
Acho que lendo isso, você deve estar se perguntando se eu REALMENTE estou recomendando o livro, né?
 
Pois estou sim, então se pelo que eu escrevi você desistiu de ler, pode pescar o Romeo do purgatório e dar mais uma chance ao bofe. Ele se aproxima da Rimmel pelos motivos errados, mas quando se apaixona... Cara, ele muda MUITO.
 
A Rimmel é muito legal, quer ser veterinária, se esforça muito pra isso e ainda é voluntária no abrigo animal. Ah, o Murphy... <3 A Rim é literalmente #nerd, dividindo seu tempo entre estudos, abrigo e mais estudos. Nem passa pela cabeça dela perder tempo com garotos, festas, jogos badalados e afins, afinal, ela já tem o futuro todo traçado. Ser tutora do queridinho da faculdade, então, é tortura medieval. E cara, ela é muito, mas muito desastrada, o que gera umas cenas muito fofas ao longo da série.
 
O melhor amigo do Rome, Braeden, é outro que é tudo de bom. Esse é ainda mais galinha que o Rome e não quer mudar (quando querem?). Ele começa a respeitar a Rim quando percebe que ela não está nem aí para a fama de "quaterback estrela" e na verdade, não quer ser associada a ele. O B é o tipo de amigo pra toda hora, embarcando nas confusões do Rome e só depois pedindo explicações. Um fofo! Fofo mesmo, viu?
 
Deixa eu falar desde já.... Não gostei da Ivy, a amiga doida da Rim, e por mim ela não tinha ganho tanta importância. A Tinis me chama de implicante, mas o que posso fazer? Quando não gosto, não tem santo que me faça mudar de opinião. Achei ela um porre e para mim só piorou ao longo dos livros (não concordo, mas numa resenha do livro dela a gente justifica a danadinha...rs).
 
Uma coisa que achei bem legal nessa série é que cada capítulo começa com uma notificação do BuzzBoss, é como se a gente também tivesse o aplicativo no celular. As mensagens vão de engraçadas a simplesmente maldosas e ofensivas. Como jogador estrela supergostoso e com altas chances de virar profissional, o Romeo é material para a maioria das notícias, e quando se envolve com a Rimmel, aí que a coisa pega fogo.
 
Encerrando, a série é muito boa, tem vários personagens ótimos e o Romeo é apaixonável (muito, muito, muito). Se como eu, você adora um jogador, não pode deixar de conferir essa série e o número #24.
 
#SeNaoLeuTáPerdendo
#RomeoAnderson
#24
#Murphy
#BraedenWalker
#CorreLola!
 
 
 




domingo, 4 de setembro de 2016

Kresley Cole – Dia Zero #4º Crônicas Arcanas



Perfeito!!! Indispensável para quem é fã da série. Pensei que seria um livro curtinho que não acrescentasse muito, mas adooorooo estar enganada! Hahaha.

Eu simplesmente adorei o que ela fez. Apresentou as cartas, mostrou quem é quem e, principalmente, deu uma visão panorâmica do Dia Zero. Do dia do Flash.

Cada personagem recebeu uma olhada de perto e fiquei com muita pena do que cada um sofreu naquele dia. Tadinho do Jack, foi angustiante ver o que ele passou, não só ele, mas cada um deles.
Vários personagens que a gente via por alto foram destrinchados e realmente tomamos conhecimento mais profundo do que vem a ser as Crônicas Arcanas.

Morte abre o livro, e owwnnn, fico dividida entre ele e Jack, mas acabo pendendo pro Aric.
Só digo uma coisa, não tem como ler Arcana Rising, o livro 5, sem ler este primeiro, então leiam logo! Ele nos mostra os novos personagens e nos mostra as forças e fraquezas de cada um. Pontos fracos e fortes de cada um, o que eram antes do Flash, suas possíveis alianças e nos mostra um vislumbre do que vem por aí no 5º livro.

Olha, até uma paulista tem ali, a Roda da Fortuna ou Dona Sorte, para alguns. Mas a mulher não é do bem. Bicha má, viu?

Joules, a Torre, era um garoto de coro de igreja, quem diria?! E ele corre atrás de Morte para se vingar da morte de sua namorada, a Calanthe, e nesse guia a gente entende um pouco dos porquês que ficaram na nossa cabeça ao longo da série. Mas não se enganem, elucida um fato e deixa outro em aberto, ai ai...

Depois do Arcana Rising a Kresley deixa bem claro que só em 2017 que teremos mais um livro. É de roer os cotocos. Então preparem-se para o que vem por aí!

Dia Zero vem abrindo caminho para Arcana Rising, então como falei, é leitura obrigatória para quem vem acompanhando a série.

Aguardem em breve resenha de Arcana Rising!



Tradutor

ÚLTIMAS POSTAGENS