domingo, 23 de novembro de 2014

Collen Hoover - Ugly Love





   Simplesmente maravilhoso! Absolutamente memorável! Altamente recomendável para quem não tem medo de ler um excelente livro e se perder na leitura, mas ao mesmo tempo, quem não tem medo de encontrar uma leitura às vezes angustiante, onde você vê duas almas se rasgarem aos pedacinhos. O título do livro no original seria Amor Feio, mas ao ler o livro você descobre que não é nada feio. É a vida em sua plenitude, ao vivo e a cores, com seus altos e baixos, suas desventuras, seus acertos e tudo o mais que vem junto.

   E vamos ao livro. Esse livro é mais um da Colleen onde ela vai fundo nos sentimentos. Cava lá no fundo, remexe e cavuca de um jeito que te deixa assombrada como ela consegue ser tão, mas tão maravilhosa no seu jeito de escrever e não se repetir nunca.

   A sinopse me enganou, pois dizia que um casal se encontrava apenas para um vuco-vuco de responsa, onde ambas as partes concordam só com sexo, mas sem envolvimentos. Até que Tate resolve o contrário. E não é bem assim.

   Tate é uma jovem estudante de enfermagem, oriunda de uma família de pilotos de avião. Seu irmão a convida a morar com ele enquanto ela se ajeita na cidade para arrumar um trabalho. E assim que chega no apê do seu irmão, dá de cara com um bebum encostado na porta. Totalmente embriagado e chapado. Ali Tate conhece seu amor feio, Miles.

   Eles acabam se conhecendo, pois ele também é piloto e amigo do seu irmão. Miles tem um passado bem triste, sofreu o panetone que o diabo amassou com o rabo, pagou todos os seus pecados (se é que se pode chamar assim) e acaba se envolvendo com Tate. Ela, por outro lado, ao bater seus olhinhos no Miles, resolve acatar qualquer exigência para poder se esparramar e esbaldar naquelas carnes. Sabia o que estava vindo, mas não conseguia se refrear.

   O livro passa no presente dos dois, com Tate narrando a história; e seis anos atrás no passado de Miles, onde a autora justifica todas as atitudes que o Miles dos dias atuais toma para resguardar seu pobre coração. E quem poderia culpá-lo por se defender de mais sofrimento?

   Ao contrário do título, não achei o amor dos dois feio. Como eu já disse inúmeras vezes, um livro para ser bom tem que ter drama. E é o que acontece nesse aqui. Colleen mergulha fundo. E apesar de ambos serem muito jovens, a dor não tem limite de idade. Nós acompanhamos a jornada dos dois para ultrapassarem todas as barreiras que Miles construiu ao redor do seu coração.

   Uma das coisas mais fofas em Colleen é como ela mescla o divertido no meio do drama. O porteiro/ascensorista octogenário do prédio torna-se um grande amigo de Tate, ouvindo seus desabafos e dando conselhos, alguns me fizeram morrer de rir pelo modo como ele modifica alguns ditos populares. Muito sábio, esse idoso, e muito fofo também. 

   Agora um aviso aos navegantes: esse livro, como os demais da Colleen, trata de temas fortes, mas vale a pena ser lido, degustado. Leiam, depois nos contem o que acharam. Somos fãs incondicionais de Colleen Hoover e até hoje não li um que não valesse a pena.

   #ficaadica




8 comentários:

  1. Parece interessante! Concordo com você. História boa tem que ter muito drama, muito sofrimento, mas com final feliz rsrs
    O que seria vulco-vulco??? kk
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Didi!! larga mão de ser besta que tu sabe muito bem o que vem a ser vuco-vuco. É o famoso sequiço.
      Mas com uito bom gosto, que a Colleen não pega pesado. Ela é uma das escritoras favoritas, ainda não li um dela que não gostasse. Pode ver que todos que leio eu resenho...rss
      bjsss

      Excluir
  2. Adorei a resenha, li esta estória tempos atrás e sinceramente não gostei do mocinho, ele sofreu, tudo bem, mas ele trata a mocinha muito mal, nada justifica isso, ela deveria ter partido para outro amor. Sou fã da escritora. Beijos. Uma ótima semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade, Fê. Ele a maltrata, mas não esconde desdo o início que era complicado... e ela pagou pra ver. Mas depois ele fica um fofo!! E tb sou fãzaça da Colleen.
      bjss

      Excluir
  3. Meninas.
    Que saudades do texto de vocês!!!!!!!!!!
    Ah! Collen é minha autora queridinha, Sou completamente apaixonada pelo que ela escreve. Esse (não sei porque) ainda não li, mas se estava na lista, agora está na urgência.
    Não sei se vocês já leram, se não leiam Maybe Someday.
    É marivilindo...
    Não sumam!
    bjs,
    Luana
    www.blogmundodetinta.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lu, saudades tb!!! Colleen tb é meu xodó. Adoro os livros dela pela forma como escreve. Ah, e lemos sim, o Maybe Someday, e tem até resenha dele aqui....rsrsrs
      Não vamos sumir... pó deixar...rs
      Bjss

      Excluir
  4. Ahhhh esse eu já lí!!!
    É apaixonante, mas oooo mocinha que sofre affff, tudo bem que ele é quebrado, mas nossa judia dela heim.
    É o tipo de livro que quando terminamos temos que dar um tempinho e ficar sentido o gostinho por vários dias........ hahahahahaha, pelo menos comigo foi assim.

    Ótima resenha!!!

    bjossss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade, Rê... ele judia, e muito. Mas esse é problema. Ele estabelece regras, ela concorda, mas não muito, achando que depois ele cederia, por isso sofre. Mas o importante é como a Colleen apresenta a história, com todos os seus meandros. Amo o jeito que ela escreve.
      Fiquei com muita pena da mocinha, muita mesmo, e que bom que eles se resolvem no final.
      E não suma.. apareça mais vezes no nosso cafofo...rs
      bjss

      Excluir

Tradutor

ÚLTIMAS POSTAGENS